Permaculture is a holistic method for planning, updating and maintaining systems on a human scale, environmentally sustainable, socially equitable and financially viable. Created by two Australian ecologists in the 70s it is based on the concept of the way of life of traditional Aboriginal Australia, this form of culture comes from the idea of ​​permanent culture. Ecological sustainability, which was the initial idea, is extending eventually to local sustainability of human settlements. Its principles are based on a linear position Bill Mollison: (...) the only really ethical decision is that everybody takes responsibility for own existence and for the children. The emphasis is on the creative application of the basic principles of nature, integrating plants, animals, buildings and people into productive environment in an aesthetical and harmonious manner. Thus one must be careful with lands, providing all systems with the possibility of continuation and multiplication. This assumption is a fundamental one, because the human creature can exercise their qualities only in a healthy surrounding. Additionally, an essencial issue from the point of view of ressources is that the surpluses should not be wasted. In all healthy ecosystems the output of every element has to be used to nurture the other components of the system. Permaculture is a systematic form of taking into consideration the ecological guidelines which can and have to be used for planning, designing, creating, managing and improving all the efforts made by individuals, families and communities and all the ressources with an aim of establishing a sustainable future for all.


The cities are tending to grow unproportionally nowadays, very often without planning on the urban level and on the level of the community, without taking into consideration any ideas of sustainability. Having access to the ressources and easy solutions the human creatures are tending not to think about the future consequences, about existing disturbances of proportionality around us: There are those who have got too much and those who have got not enough for the life. Furthermore, in the growing cities the buildings and roads are constructed as the first priority, the green areas are overlooked. In a city like Lisbon the green areas are not a necessity, but a luxury. Every day the parishes and the municipality receive telephone calls from residents complaining about the trees and roots in sewers, allergies and the leaves that drop on the floor. The coexistence with nature has become obsolete. Another problem is the degradation of the urban heritage, of the unoccupied or abandoned spaces.

Image Within the contex of this "disorders" sometimes the community projects are initiated by individuals and groups of people aimed to sensibilize the others to these problems and to start some actions with involving the others.

One of such projects had been started 8 years ago in one of the central districts of Lisbon, situated on a hill and full of grocery stores and small cafes, where the people know each other. A small group of citizens has started a vegetable garden following a sustainable system of permaculture, without fertilizers, water network, without the need for external aid, on the voluntary and self sustainable basis. More and more citizens joined this project and step by step the space has begun to change, not very obviously: permaculture is not the destruction of the actual existence. The vegetables have started to grow as a result of work being done. This was the beginning of a great project: The World Garden, cultivated by Citizens, based on the concept of permaculture, providing the healthy and sustainable style of life, creative and constructive spirit, enabling always to find solutions, contributing to the creation of the society based on humanism and responsibility on the social, cultural and environmental level.


The core of the team consists of 8 - 12 persons, united by the same idea, creative spirit and willingness to live in a society meeting the norms of humanism and responsibility from the social and environmental points of view. To meet decisions concerning the organisational aspects as a minimum the voices of 3 persons are needed, according to the guidelines of permaculture. That is why minimum three persons have to take part in the meetings conducted regularly, the decisions are met with the participation of the group of support, involved into the project. The planned activities are producing ideas, needs, requests, invitations, excuses: a city always has its needs.

Solar Ovens

A solar oven is a simple construction of a cubic form concentrating the solar energy during the day time which is used for cooking. Our ovens are made of reused materials. Judging from the fact the solar energy is one of the cheapest and the cleanest the utilization of the solar ovens could be a good solution.

Growing up with a garden

This project is aimed to engage children in looking for the solution to be closer to the nature if they are living in a city apartment. We are planting small gardens of herbs and vegetables in vertical constructions made of the materials available in every house.



This activity, a small rudimentary permaculture workshop in the open air is for parents and children. In a space where there are many trees we make and hang feeders and waterers for birds. We hope they will sing for us.

Do yourself

Theproject is conducted at the markets, in cooperation with workshops for reutilisation materials.

The rocket stove

It is a very efficient oven that uses small pieces of dried wood equiped with an isolated vertical chimney, ensuring complete combustion before the flames reach the food pan.

Kitchen Ayuverda

Happy food for a happy mind. Meal which is cooked in an agricultural balance. All are welcome. Gather it up, cooking up, eat up.

Limited space gardens

A fence, a wall, a ceiling brackets, all we need is to have a vegetable garden. There is a small structure to build, maintain humidity, and ensure that there is sufficient light. And behold arise fruits for the salad. Tomatoes, basil, parsley, peppers and even beans.

Ecological Detergents Workshop.

In this workshop the participates could learn how to do ecological detergents that do not harm the nature, but fulfill their purposes.

Seeds of Conversation

Common viewing of films related to topics of permaculture, followed up by the discussion.

Additionally to these activities, performed regularly, there are also activities where the people having common interests meet. These activities are open for the public, opened for convivality, sharing the knowledge and promoting human and ecological values. During our meetings we could make a Yoga session, cook together or watch films devoted to the topics of permaculture.

The fee has to be paid for some of our actions so that to cover expences like honorars for the trainers or costs for materials, but most of them take place in a form of a meeting on the voluntary basis.


Our room is the whole world. The city has got several areas which have to become more green. At a moment due to the fact there is no physical space for our community we have to share our working spaces with other unities and territories: Associação Arte de Viver, where the projects Seeds of Conversation and Community Kitchen are conducted, CNN(Clube Nacional de Natação - National Swimming Club) who gave us space near the pools for the community garden and Horta Biológica (Biological Garden), which is developping according to the ideas of the philosophy of permaculture.


The project is organized on the basis of collective will, partnership and essentially volunteer work.




HORTA DO MUNDO, CULTIVAMOS PESSOAS Telephones: 00351 912 172 157, 00351 918 800 855 ASSOCIAÇÃO ARTE DE VIVER Av. Afonso Costa 20, 3º Dto, LisboaçãoArtedeViver CNN – CLUBE NACIONAL DE NATAÇÃO Rua de S. Bento 209, Lisboa

Portuguese version


A permacultura é um método holístico para planear, atualizar e manter sistemas à escala humana, ambientalmente sustentáveis, socialmente justos e financeiramente viáveis. Criada por dois ecologistas australianos na década de 70 que se basearam no modo de vida dos aborígenes tradicionais da Austrália, esta forma de cultura vem da ideia de cultura permanente. A sustentabilidade ecológica, que era a ideia inicial, acaba por estender-se á sustentabilidade dos assentamentos humanos locais. Os seus princípios assentam numa posição linear de Bill Mollison: (...) a única decisão verdadeiramente ética é cada um tomar para si a responsabilidade da sua própria existência e da de seus filhos.

O ênfase está na aplicação criativa dos princípios básicos da natureza, integrando plantas, animais, construções e pessoas num ambiente produtivo, estético e harmonioso. Dessa forma é preciso ter cuidado com aterra, providenciando que todos os sistemas de vida continuam e se multiplicam. Isto é fundamental porque só numa terra saudável é possível aos humanos exercerem as suas qualidades. Para além de providenciar o que é essencial e necessário em termos de recursos, para as pessoas, é preciso também ter em conta que não devem ser desperdiçados os excedentes. Em todos os ecossistemas saudáveis se usa a saída de cada elemento para nutrir os outros que ficam. A permacultura é uma forma sistémica de conceber princípios ecológicos que podem e devem ser usados para planear, projetar, criar, gerir e melhorar todos os esforços realizados pelos indivíduos, famílias e comunidades e todos os recursos existentes, no sentido de um futuro sustentável a todos.


As cidades foram crescendo desmedidamente, muitas vezes sem planeamento urbano, sem planeamento de vivência comunitária, sem ideia alguma de sustentabilidade. Com os recursos e facilitismos existentes é fácil não pensarmos nas consequências futuras, ou nos desequilíbrios existentes, bem ao lado de cada um de nós. Num mesmo espaço vivem os que têm em demasia, e criam excedentes, e os que pouco têm. Além disto, as cidades cresceram com paredes e estradas e o verde é descurado. Em cidades como Lisboa, o verde é um luxo, não uma necessidade. Todos os dias as freguesias e o município recebem chamadas telefónicas dos seus moradores com queixas sobre árvores, e as raízes nos esgotos, e as alergias, e as folhas que deixam cair no chão. A convivência com a natureza tornou-se obsoleta. Numa outra vertente encontra-se outro problema, a degradação do património urbanístico, os espaços desocupados ao abandono.


Desta desordem nascem por vezes projetos comunitários, que começam com uma ou mais pessoas, até fazerem um punhado de indivíduos e passarem a ação e sensibilizarem outros que, da mesma forma, se envolvem.

Há cerca de 8 anos, numa pequena encosta baldia de um bairro central de Lisboa, um daqueles bairros já antigos onde muita gente se conhece, com mercearias e pequenos cafés, começou um desses projetos. Havia terra e um pequeno grupo de pessoas iniciou uma horta, num sistema sustentável de permacultura, sem necessidade de adubos, de água da rede, sem necessidade de ajudas externas. Voluntário e auto sustentável. Neste projeto foram juntando-se pessoas até que, pouco a pouco, devagarinho, o espaço começou uma transformação, não muito óbvia, porque a permacultura não faz desbaste do existente; mas cresciam legumes de todo aquele trabalho. Essa encosta foi o princípio de um projeto maior, a Horta do Mundo Cultivamos Pessoas, com um programa de permacultura que promove estilos de vida saudáveis e sustentáveis, num espírito criativo e construtivo que permitam alcançar soluções que contribuam sempre para uma sociedade humana e responsável a nível social, cultural e ambiental.


Há um núcleo de 8 a 12 pessoas, unidos por uma ideia, um espírito criativo e uma vontade de viver numa sociedade mais humana e responsável em termos sociais e ambientais. Para tomar decisões ligadas á organização são precisas pelo menos 3 pessoas, segundo os princípios da permacultura, e por isso há reuniões com regularidade de pelo menos três destas pessoas envolvidas e as decisões são tomadas com o apoio do grupo envolvido no projeto. As atividades vão surgindo das ideias, das necessidades, das solicitações, dos convites, dos pretextos. Porque uma cidade está sempre muito precisada.

#Fornos Solares O forno solar é uma estrutura simples cúbica que concentra alguma da energia solar do dia e a aproveita para a preparação de alimentos. Os fornos são construídos com material reaproveitado. Sendo o Sol a fonte de energia mais barata e limpa de que podemos usufruir, o uso dos fornos solares pode ser uma boa solução.

  1. Crescer com a Horta''

É um projeto que pretende envolver e consciencializar as crianças para as soluções que temos em mão e que estão ao alcance de todos, mesmo quando se vive num apartamento de cidade. Plantação de jardins de cheiros e legumes na vertical, construção de vasos com o material que há lá por casa.


#Canto dos Pássaros Esta atividade, uma pequena oficina rudimentar de permacultura, é para pais e filhos e faz-se ao ar livre. Num sítio com muitas árvores. Fazem-se construções pequenas de comedouros e bebedouros para pássaros que se penduram depois nos ramos. Depois é só ficar à espera que cantem.

#Faz tu mesmo Estar presente em mercados, com sementes e oficinas de reutilização de materiais.

#O fogão-foguete É um fogão muito eficiente que usa pequenos pedaços de madeira seca, que são queimados numa câmara de combustão simples e de alta temperatura, com uma chaminé vertical isolada, assegurando uma combustão completa antes de as chamas atingirem a panela dos alimentos.

#Cozinha Qyuverda Comida feliz para uma mente feliz. Comer o que se cozinhou, de uma agricultura de equilíbrio. Nestes encontros todos são bem vindos. Colhe-se, cozinha-se, come-se.

#Hortas em pequenos espaços Um muro, uma parede, uns suportes do tecto, é tudo quanto precisamos para ter uma horta. Há que construir uma pequena estrutura, manter a humidade e assegurar que há luz em quantidade suficiente. E eis que surgem flores para a salada. Tomates, basílico, salsa, pimentos e até feijões.

#Oficina de detergentes ecológicos É uma espécie de workshop, ou um encontro onde se tem a oportunidade de aprender a fazer detergentes de toda a espécie, mas detergentes ecológicos, que não prejudicam a natureza nem poluem o ambiente, mas que servem ainda assim os seus propósitos.

#Sementes de Conversa A conversa surge depois do visionamento de filmes ligados a temáticas da permacultura.

Para além destas ações específicas que vão sendo realizadas com regularidade, há outras que juntam pessoas com interesses comuns. São atividades abertas ao púbico, onde se espera convívio, partilha de conhecimentos e se promovem valores humanos e ecológicos. Os encontros podem ser para uma aula de Yoga, uma cozinha comunitária a todos, visionamento de filmes ligados a temáticas da permacultura.

Algumas das atividades ou ações são pagas, para se poder custear as despesas com os formadores ou os materiais usados, mas na sua maioria são só uma forma de encontro e de voluntariado.


O local é o mundo. A cidade acolhe vários espaços que necessitam de verde. Neste momento, e porque não existe um espaço físico para este colectivo/comunidade; criaram-se parcerias com outras entidades e os seus territórios. Tal é o caso da Associação Arte de Viver, onde são realizadas as atividades da Cozinha Comunitária e as Sementes de Conversa – com a projeção de filmes. No CNN (Clube Nacional de Natação), lá atrás, perto das piscinas há o espaço da horta comunitária, uma Horta Biológica, que está a ser desenvolvida seguindo as filosofias da permacultura.


O projeto organiza-se em torno de uma vontade coletiva, na conjugação de parcerias e, essencialmente, de trabalho voluntário.




HORTA DO MUNDO, CULTIVAMOS PESSOAS Telefones: 00351 912 172 157, 00351 918 800 855 ASSOCIAÇÃO ARTE DE VIVER Av. Afonso Costa 20, 3º Dto, LisboaçãoArtedeViver CNN – CLUBE NACIONAL DE NATAÇÃO Rua de S. Bento 209, Lisboa